Agenda

Fev
9
Qui
Os Lugares de Sophia, Uma Leitura – O Mar, A Floresta, A Justiça – Lisboa @ Panteão Nacional
Fev 9@18:00_18:45

OS LUGARES DE SOPHIA, UMA LEITURA – O MAR, A FLORESTA, A JUSTIÇA

45 minutos – público em geral

Entrada gratuita por ordem de chegada e sujeita à lotação da sala

Um desafio lançado pela equipa do Panteão Nacional para construirmos uma leitura de textos de Sophia de Mello Breyner Andresen, a partir da exposição “Thalassa, Thalassa, o mar e o mediterrâneo na obra de Sophia”, levou-nos a revisitar a sua obra. O olhar da exposição que aborda os lugares “cativos” da escritora como o mar e a Grécia, fez-nos dirigir o nosso olhar para os lugares recorrentes da sua escrita. O mar, naturalmente, mas também a floresta/jardim e ainda e sempre a justiça. Fazer uma leitura que erga perante os espectadores um universo particular, que são a sua poesia e prosa, reconhecível para muitos, ainda e sempre muito desconhecido para tantos, é o nosso objectivo. A banda sonora, construída quase exclusivamente com uma textura vocal, instala uma linguagem que se socorre da própria construção poética da autora para criar os ambientes para que os vários textos apelam.
Como em todos os nossos trabalhos, o nosso propósito primeiro (e último) é seduzir leitores para a sua obra. Por isso esperemos que tal como ela pediu à “Musa” num poema seu, cheguemos ao “canto para todos/Por todos entendido”.

 

Mar
5
Dom
Os Lugares de Sophia, Uma Leitura – O Mar, A Floresta, A Justiça – Lisboa @ Panteão Nacional
Mar 5@18:00_18:45

OS LUGARES DE SOPHIA, UMA LEITURA – O MAR, A FLORESTA, A JUSTIÇA

45 minutos – público em geral

Entrada gratuita por ordem de chegada e sujeita à lotação da sala

Um desafio lançado pela equipa do Panteão Nacional para construirmos uma leitura de textos de Sophia de Mello Breyner Andresen, a partir da exposição “Thalassa, Thalassa, o mar e o mediterrâneo na obra de Sophia”, levou-nos a revisitar a sua obra. O olhar da exposição que aborda os lugares “cativos” da escritora como o mar e a Grécia, fez-nos dirigir o nosso olhar para os lugares recorrentes da sua escrita. O mar, naturalmente, mas também a floresta/jardim e ainda e sempre a justiça. Fazer uma leitura que erga perante os espectadores um universo particular, que são a sua poesia e prosa, reconhecível para muitos, ainda e sempre muito desconhecido para tantos, é o nosso objectivo. A banda sonora, construída quase exclusivamente com uma textura vocal, instala uma linguagem que se socorre da própria construção poética da autora para criar os ambientes para que os vários textos apelam.
Como em todos os nossos trabalhos, o nosso propósito primeiro (e último) é seduzir leitores para a sua obra. Por isso esperemos que tal como ela pediu à “Musa” num poema seu, cheguemos ao “canto para todos/Por todos entendido”.

 

Abr
15
Sáb
Os Lugares de Sophia, Uma Leitura – O Mar, A Floresta, A Justiça – Lisboa @ Panteão Nacional
Abr 15@18:30_19:15

OS LUGARES DE SOPHIA, UMA LEITURA – O MAR, A FLORESTA, A JUSTIÇA

45 minutos – público em geral

Entrada gratuita por ordem de chegada e sujeita à lotação da sala

Um desafio lançado pela equipa do Panteão Nacional para construirmos uma leitura de textos de Sophia de Mello Breyner Andresen, a partir da exposição “Thalassa, Thalassa, o mar e o mediterrâneo na obra de Sophia”, levou-nos a revisitar a sua obra. O olhar da exposição que aborda os lugares “cativos” da escritora como o mar e a Grécia, fez-nos dirigir o nosso olhar para os lugares recorrentes da sua escrita. O mar, naturalmente, mas também a floresta/jardim e ainda e sempre a justiça. Fazer uma leitura que erga perante os espectadores um universo particular, que são a sua poesia e prosa, reconhecível para muitos, ainda e sempre muito desconhecido para tantos, é o nosso objectivo. A banda sonora, construída quase exclusivamente com uma textura vocal, instala uma linguagem que se socorre da própria construção poética da autora para criar os ambientes para que os vários textos apelam.
Como em todos os nossos trabalhos, o nosso propósito primeiro (e último) é seduzir leitores para a sua obra. Por isso esperemos que tal como ela pediu à “Musa” num poema seu, cheguemos ao “canto para todos/Por todos entendido”.

 

Jul
6
Qui
Recuperar, Incluir e Inovar. Redes de colaboração entre o CFAE Beatriz Serpa Branco e as Bibliotecas Escolares do Alentejo – Évora @ Escola Secundária André de Gouveia
Jul 6@9:00_18:00

Participação do Encontro  organizado pelo Centro de Formação de Professores Beatriz Serpa Branco de Évora.

A nossa participação:

9h00 “Momento Cultural” – Abordagem lúdica à leitura e à literatura;

das 15 às 18h00 – Workshop de Leitura Coral
Vantagens e desvantagens da leitura coral; estratégias e técnicas de abordagem à leitura coral; construção de uma leitura em coro pelo grupo que poderá ser apresentada no final dos trabalhos.