Agenda

Fev
1
Seg
ABSURDEZ (isto não faz sentido nenhum) – Online @ Portal do PNL 2027, Canal Youtube e Facebook do PNL 2027
Fev 1@10:30_11:00

ABSURDEZ (isto não faz sentido nenhum)

Celebrar a leitura em voz alta:
Sem público? – Isto não faz sentido nenhum
Com máscara? – Isto não faz sentido nenhum
Sem nos podermos tocar? – Isto não faz sentido nenhum

Num tempo em que poucas coisas fazem sentido, ou pelo menos, o sentido que costumavam fazer, resolvemos fazer a celebração da leitura em voz alta com leitura de literatura do absurdo para a infância. Com as crianças. Desde a tradição oral até Lewis Carrol, de Gianni Rodari a Manuel António Pina, de Luísa Ducla Soares a Fernando Pessoa. Porque nem todas as histórias começam e acabam da mesma maneira; porque o nonsense ajuda a organizar o caos; porque o poético e o absurdo fazem muita falta para nos ajudar a olhar para o mundo de outro modo; e porque rir de um mundo virado do avesso nos pode salvar os dias.

Fev
9
Ter
Conversa sobre Clubes de Leitura em Voz Alta – Online @ Escola de narradores online
Fev 9@21:00_22:00

Quer fazer um Clube de Leitura em Voz Alta? É muito fácil.

A leitura em voz alta, quando bem feita, é uma das melhores ferramentas da promoção da leitura. O PNL2027 e a Andante acreditam no poder da leitura e do livro, nos benefícios de ler em voz alta, de ler em comunidade.

Reconhecendo o valor deste trabalho, o PNL2027 convidou a Andante a partilhar a sua experiência com o Clube de Leitura em Voz Alta, de modo a que o modelo possa ser replicado e adaptado a cada caso.

Esta conversa destina-se aos interessados em fazer um Clube de Leitura em Voz Alta e que queiram esclarecer alguma dúvida após assistirem aos 5 pequenos tutoriais que se encontram aqui: https://www.andante.com.pt/formacao/clube-de-leitura-em-voz-alta/

Mar
27
Sáb
Afinal… o Gato? – Odivelas @ Centro Cultural Malaposta
Mar 27@11:00_11:45

AFINAL… O GATO?

30 minutos – para crianças dos 6 meses aos 5 anos

Informações e compra de bilhetes aqui

Espectáculo de promoção da leitura para bebés, com poesia de Fernando Pessoa, música de Joaquim Coelho e imagem de Mafalda Milhões.

“Gato que brincas na rua como se fosse na cama” É ​a ​partir daqui que tudo começa.
Mas afinal onde está o gato? Dentro do sapato? Dentro do poema? Dentro do livro? Dentro de nós?
Vamos jogar com ele às escondidas? Vamos?
Vamos brincar com os sons, com as palavras, com as sensações, com o impossível, com o que não há?
Será que no final vamos saber onde está e quem é o gato?

“A nossa imaginação do impossível não é porventura própria, pois já vi gatos olhar para a lua, e não sei se não a quereriam.”Fernando Pessoa (Livro do desassossego)

Mar
28
Dom
Afinal… o Gato? – Odivelas @ Centro Cultural Malaposta
Mar 28@11:00_11:45

AFINAL… O GATO?

30 minutos – para crianças dos 6 meses aos 5 anos

Informações e compra de bilhetes aqui

Espectáculo de promoção da leitura para bebés, com poesia de Fernando Pessoa, música de Joaquim Coelho e imagem de Mafalda Milhões.

“Gato que brincas na rua como se fosse na cama” É ​a ​partir daqui que tudo começa.
Mas afinal onde está o gato? Dentro do sapato? Dentro do poema? Dentro do livro? Dentro de nós?
Vamos jogar com ele às escondidas? Vamos?
Vamos brincar com os sons, com as palavras, com as sensações, com o impossível, com o que não há?
Será que no final vamos saber onde está e quem é o gato?

“A nossa imaginação do impossível não é porventura própria, pois já vi gatos olhar para a lua, e não sei se não a quereriam.”Fernando Pessoa (Livro do desassossego)

Afinal… o Gato? – Odivelas @ Centro Cultural Malaposta
Mar 28@12:00_12:45

AFINAL… O GATO?

30 minutos – para crianças dos 6 meses aos 5 anos

Informações e compra de bilhetes aqui

Espectáculo de promoção da leitura para bebés, com poesia de Fernando Pessoa, música de Joaquim Coelho e imagem de Mafalda Milhões.

“Gato que brincas na rua como se fosse na cama” É ​a ​partir daqui que tudo começa.
Mas afinal onde está o gato? Dentro do sapato? Dentro do poema? Dentro do livro? Dentro de nós?
Vamos jogar com ele às escondidas? Vamos?
Vamos brincar com os sons, com as palavras, com as sensações, com o impossível, com o que não há?
Será que no final vamos saber onde está e quem é o gato?

“A nossa imaginação do impossível não é porventura própria, pois já vi gatos olhar para a lua, e não sei se não a quereriam.”Fernando Pessoa (Livro do desassossego)

Abr
7
Qua
A leitura em voz alta – Setúbal @ Escola Secundária du Bocage
Abr 7@14:00_16:30

Para alunos da Escola Secundária du Bocage

Este ateliê  pretende abordar as técnicas da leitura em voz alta:

  • trabalho de corpo e voz (postura, respiração, colocação de voz, dicção);
  • trabalho sobre a exposição que a leitura em voz alta exige;
  • apresentação de uma leitura encenada.

Trata-se aqui de dar algumas “ferramentas” para tornar a leitura de um texto, num momento de prazer para quem lê e para quem ouve.

Divide-se em 4 partes:
1. Trabalho de corpo e de voz
2. Técnicas de leitura em voz alta
3. Construção de uma leitura encenada

Concepção e realização – Cristina Paiva

Abr
17
Sáb
Afinal o Caracol – Fundão @ Biblioteca Municipal Eugénio de Andrade
Abr 17@10:30_11:00

25 minutos – Crianças dos 6 meses aos 5 anos

(inscrições na Biblioteca)

Espectáculo de promoção da leitura para bebés, com poesia de Fernando Pessoa, música de Joaquim Coelho e ilustrações de Mafalda Milhões.

A história de um caracol, das cócegas que ele fazia, de como ele virava e girava, e de como acabou por não cair. Brincamos com as palavras. São o nosso brinquedo favorito. Brincamos com a música das palavras, com a leveza das palavras, com o tamanho das palavras, com a pressa e a lentidão das palavras e também… com o silêncio.

Abr
23
Sex
Aleatório – Vila Nova de Cerveira @ Cine-Teatro
Abr 23@21:30_22:30

Aleatório – Concerto de palavras ao acaso
60 minutos – Público em geral – maiores de 12

ENTRADA LIVRE

Dar forma às palavras, dar som às palavras, dar vida às palavras, dar-lhes o sopro vital que as faça habitar o nosso espaço; emprestar-lhes o corpo, fornecer-lhes os traços, fazê-las ressoar nas nossas e vossas cabeças; com elas contar, cantar, pintar, dançar, escrever, tocar, brincar; com elas organizar o caos, o acaso, o aleatório. Ou o contrário: com elas criar o caos, o acaso, o aleatório.
Um espectáculo de palavras, sons e imagens concertadas, ou um concerto de palavras, sons e imagens espectaculares. Uma hora de viagem (pouco) ao acaso.

 

Abr
24
Sáb
Afinal… o Gato? – Vila Nova de Cerveira @ Biblioteca Municipal de Vila Nova de Cerveira
Abr 24@10:30_11:15

AFINAL… O GATO?

30 minutos – para crianças dos 6 meses aos 5 anos

(gratuito, inscrição necessária na Biblioteca)

Espectáculo de promoção da leitura para bebés, com poesia de Fernando Pessoa, música de Joaquim Coelho e imagem de Mafalda Milhões.

“Gato que brincas na rua como se fosse na cama” É ​a ​partir daqui que tudo começa.
Mas afinal onde está o gato? Dentro do sapato? Dentro do poema? Dentro do livro? Dentro de nós?
Vamos jogar com ele às escondidas? Vamos?
Vamos brincar com os sons, com as palavras, com as sensações, com o impossível, com o que não há?
Será que no final vamos saber onde está e quem é o gato?

“A nossa imaginação do impossível não é porventura própria, pois já vi gatos olhar para a lua, e não sei se não a quereriam.”Fernando Pessoa (Livro do desassossego)

Abr
30
Sex
À MARGEM, dE umA cErtA mAnEira – Alcochete @ Fórum Cultural de Alcochete
Abr 30@21:30_22:15

À MARGEM, dE umA cErtA mAnEira – o canto do exílio

45 minutos
Público em geral

O título do álbum de José Mário Branco, Margem de certa maneira, de 1973, editado pelo autor em França, nesse tempo de exílio, serviu-nos de mote para este espectáculo.
Durante 45 minutos, percorreremos os poemas, as canções que falam desse exílio que sofreram os que lutaram contra o fascismo ou que simplesmente se opuseram à guerra colonial. As palavras que o retratam, que o gritam, que o relembram.
No entanto, a importância da valorização da memória desses dias não deverá, a nosso ver, cair nunca na nostalgia. Que esses lamentos, que esses cantos, que esses gritos, até que essas saudades nos sirvam para compreender melhor o que foram esses tempos. E que essa compreensão nos ajude a olhar para a frente mais apetrechados, melhor preparados, porque há muitos exílios. Quem é que nunca se sentiu à margem, de certa maneira?